10/06/2019 - Afocefe aponta saída para crise a dirigentes do PDT

 

O presidente do Afocefe Sindicato, Carlos De Martini Duarte, palestrou no primeiro Seminário de Legisladores Titulares e Suplentes da Fronteira Oeste, na sexta-feira, 7, na Câmara de Vereadores de Alegrete, que teve como tema “O Trabalhismo e a Gestão Pública Atual”.
A convite da coordenação do Seminário, na presença dos deputados Afonso Motta e Pompeo de Mattos, do prefeito de Alegrete Márcio Amaral, e demais lideranças políticas e representantes comunitários, De Martini fez um panorama das propostas de reforma tributária e da previdência em discussão e enfatizou que independente do que for aprovado, se não houver mudança no modelo de fiscalização, a crise financeira irá continuar. 
Falou dos impactos da sonegação fiscal para a sociedade e apresentou os trabalhos que o Afocefe vem desenvolvendo sobre as finanças estaduais. ‘’É uma honra participar deste debate. Há muito que nosso Sindicato acompanha a crise financeira do Estado. Insatisfeitos com esta situação fomos nos aprofundar sobre as administrações tributárias de outros estados para seguir modelos de sucesso’’, afirmou. ‘’Com nossos trabalhos técnicos, conseguimos ter espaço na agenda política do Estado. O Sonegômetro ICMS RS, que estima perdas de R$ 9,4 bilhões ao ano no Estado somente de ICMS, busca apontar um caminho de desenvolvimento ao Rio Grande. Nosso problema é de receita e o Estado está focado na despesa. Um modelo equivocado e ineficiente de fiscalização é uma das causas da derrocada financeira’’, complementou.
De Martini defendeu ainda a transparência nas isenções fiscais concedidas pelo Estado, que chegam a R$ 9 bilhões ao ano e, sequer, passam pelo crivo do Tribunal de Contas. ‘’Há uma distorção na concessão das isenções. 66% delas estão concentradas no eixo Porto Alegre, Novo Hamburgo a Caxias do Sul, enquanto deveriam ser concedidas às regiões deprimidas. A dívida das empresas com o Estado chega a R$ 42 bilhões. Ao invés de incentivar os bons contribuintes, o Estado contempla os maus, instituindo um verdadeiro programa de sonegação premiada ‘’, apontou.
Citou ainda que mesmo com o fechamento de postos fiscais no Estado, que de 16 restam apenas 6 em funcionamento, os Técnicos Tributários identificam irregularidades em diversas situações ao realizarem a verificação das mercadorias, confrontando o que é realmente transportado com o registrado na nota fiscal eletrônica. 
‘’Hoje se transporta o que se quer em nossas rodovias, já que a sensação de risco é praticamente inexistente. Ação articulada dos órgãos de poder, com equipes de fiscalização atuando em conjunto, utilizando ferramentas modernas como os scanners podem sanar a sangria financeira em nosso Estado’’, registrou.
No roteiro pela região, o presidente do Afocefe e o diretor Rodrigo Silveira participaram de reuniões com os Técnicos Tributários de Santana do Livramento e Alegrete.

Veja Também

C

Chapa Fiscaliza com Experiência vence as eleições para o Conselho Fiscal do Afocefe Sindicato
09/09/2019

E

Eleições Sindicais: Afocefe tem primeira eleição eletrônica
06/09/2019

E

ELEIÇÕES AFOCEFE - INSTRUÇÕES PARA VOTAÇÃO ONLINE
03/09/2019